sábado, 19 de junho de 2010

Diogo Mainardi vai para a cadeia?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, negou nesta segunda-feira (31) a liminar de habeas corpus pedida pelos advogados de Diogo Mainardi, colunista da revista Veja e do programa Manhattan Connection, da Rede Globo. Ele havia sido condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) a três meses de reclusão por “prática de difamação e injuria” contra o jornalista Paulo Henrique Amorim, a partir de uma queixa-crime apresentada em 2006.

Na primeira instância, o pitbul da Veja e da TV Globo foi absolvido, sob a alegação de que a Lei de Imprensa estava suspensa por conta de liminar do STF. Mas o TJ-SP reverteu esta decisão, condenando-o com base nos artigos 139 e 140 do Código Penal. A pena “privativa de liberdade” foi substituída por “restritiva de direito” – pagamento de três salários mínimos a serem revertidos para entidade pública assistencial. Mesmo assim, a defesa do difamador recorreu, mas o ministro Dias Toffoli agora confirmou a legalidade da punição e não cabe mais apelação.

“Sou um conspirador da elite”

É evidente que Diogo Mainardi não será preso – talvez nem pague os três salários mínimos. Mas a decisão do STF de manter sua condenação serve, ao menos, para dar gargalhada. Há muito que este “jornalista”, expressão do que há de mais reacionário e preconceituoso na mídia brasileira, promove baixarias. Desde que deixou de escrever banalidades sobre cultura e passou a tratar de política na sua coluna semanal na Veja, em 1999, este direitista convicto coleciona inimigos.

Seus cinco livros – um deles sugestivamente batizado de “Contra o Brasil” – e dois filmes nunca tiveram repercussão, mas os seus comentários rancorosos difamaram muitas pessoas. Provocador contumaz, ele ocupou espaços midiáticos regiamente pagos para satanizar o governo Lula – “sou um conspirador da elite, quero derrubar Lula”. Prepotente e egocêntrico, ele chegou a se gabar de “quase ter derrubado o presidente Lula” e ficou furioso com seus milhões de votos na reeleição.

O tribunal macartista mainardiano

Jornalista colonizado, que detesta o Brasil e fica de quatro para os EUA, ele apoiou abertamente o genocídio do povo iraquiano. Nunca escondeu a sua adesão às idéias neocons de George Bush, chegando a atacar Barack Obama como “esquerdista”. Também aplaudiu o golpe em Honduras e adora destilar veneno contra os governos Hugo Chávez, Evo Morales e Raul Castro. Na política interna, ele é inimigo doentio de tudo que tenha alguma conotação progressista. Ele não poupa o MST, o sindicalismo e os intelectuais e lideranças de esquerda do país e do mundo.

No meio jornalístico, Diogo Mainardi é visto como um troglodita, em busca de fama e dinheiro. Também é chamado de fascista por ter criado o seu “tribunal macartista mainardiano”, no qual promove uma cruzada leviana contra profissionais da imprensa. “Minha maior diversão é tentar adivinhar a que corrente do lulismo pertence cada jornalista”, explicou ao estrear o seu “tribunal” na Veja em 2005. Seu macartismo, ao gosto dos barões da mídia, já resultou em várias vítimas.

O estrume da direita midiática

No caso mais famoso e execrável, Mainardi precipitou a demissão do jornalista Franklin Martins da TV Globo. Na guerra pública travada entre os dois por causa da lista “macartista”, a poderosa emissora preferiu ficar com o estrume da direita. O episódio revoltou os jornalistas. Um abaixo-assinado enviado à Rede Globo criticou a demissão. “Acusado levianamente por um articulista, cuja missão parece ser unicamente agredir profissionais e intelectuais com relevantes serviços prestados ao aperfeiçoamento democrático do país, Martins não teve direito de resposta”.

Segundo Alberto Dines, do Observatório da Imprensa: “Diogo Mainardi é, na feliz expressão de Luís Nassif, um parajornalista. Um dos muitos revelados nestes meses de crise. Ouviram falar de Carlos Lacerda e imaginaram que basta indignação e nenhum senso de responsabilidade para ganhar o respeito dos leitores. Seus colegas na direção da Veja ofereceram-lhe uma isca e ele, faminto de reconhecimento, a abocanhou com voracidade. Quanto mais se entrega ao delírio mais se enreda na armadilha. Há poucos meses puxava o cordão dos que mais recebia mensagens; agora nem aparece no esfarrapado Oscar semanal. O leitor da Veja já não agüenta tanta fanfarronada”.

0 comentários: